segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Não posso virar "Jairzinho paz e amor" no 2º turno, diz Bolsonaro

“Olha só, eu não posso virar o ‘Jairzinho Paz e Amor’ e me violentar. Eu tenho que continuar sendo a mesma pessoa. É lógico que a gente usa sinônimos, de vez em quando eu falava palavrões, eu não falo mais”, disse Bolsonaro em entrevista à rádio Jovem Pan, em uma referência à expressão usada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para se afastar da pecha de radical.
Bolsonaro, que obteve 46 por cento dos votos válidos no primeiro turno da eleição presidencial, reiterou que está em negociações com parlamentares de diferentes partidos para montar uma base de apoio a seu eventual governo, uma vez que, segundo ele, não seria possível governar apenas com os parlamentares eleitos de sua própria legenda.

O PSL elegeu no domingo 52 parlamentares, segundo site da Câmara dos Deputados, em um avanço gigantesco em relação ao pleito passado quando havia eleito apenas um deputado federal. Bolsonaro afirma ter o apoio de parlamentares de diferentes partidos que apoiam sua agenda conservadora.
“Estamos conversando, ao longo de dois anos, individualmente com parlamentares, porque tem deputado honesto”, afirmou o candidato do PSL, que vai enfrentar no 2º turno o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), que recebeu 29 por cento dos votos no primeiro turno da disputa presidencial, no domingo.
O presidente do PSL, Gustavo Bebiano, e o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), um dos aliados de primeira hora de Bolsonaro, disseram no domingo que o ex-capitão buscará os votos do PSDB e tentará apoios de todos os partidos, menos os de esquerda.
Na entrevista à rádio Jovem Pan, Bolsonaro reiterou que não vai recriar a CPMF caso seja eleito, e disse que seu principal assessor econômico, Paulo Guedes, admitiu ter cometido um “ato falho” nessa questão ao citar uma possível volta da cobrança.
“Quando ele (Guedes) falou em CPMF foi um ato falho dele, ele quer diminuir o número de impostos, agora ao diminuir você tem um outro nome, é IVA, seja lá o que for, ele falou algo parecido com CPMF e ninguém quer, da minha parte não volta a CPMF porque eu acho que é um imposto injusto”, afirmou.
Bolsonaro já havia negado uma possível volta da CPMF em outras ocasiões, depois que seu coordenador econômico disse a um grupo de investidores no mês passado que recriaria um tributo nos moldes da CPMF.

sábado, 6 de outubro de 2018

Bolsonaro cresce e tem 42,6% dos votos válidos, Haddad soma 27,8%, diz CNT/MDA

FONTE REUTERS
SÃO PAULO (Reuters) - O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, cresceu mais de 7 pontos percentuais no critério de votos válidos e agora soma 42,6 por cento, enquanto o petista Fernando Haddad aparece com 27,8 por cento neste critério, apontou pesquisa CNT/MDA divulgada neste sábado, véspera do primeiro turno da eleição presidencial.
Jair Bolsonaro, do PSL 04/07/2018. REUTERS/Adriano Machado
Na pesquisa anterior, Bolsonaro tinha 35,3 por cento dos votos válidos, enquanto Haddad aparecia com 31,5 por cento. O critério de votos válidos desconsidera os votos brancos e nulos e é usado na contabilização oficial dos votos pela Justiça Eleitoral. Para vencer já no primeiro turno, um candidato precisa conquistar metade mais um dos votos válidos.
Ainda pelo critério dos votos válidos, Ciro Gomes (PDT) aparece com 11,5 por cento, ante 11,8 por cento na pesquisa anterior do instituto MDA encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), enquanto Geraldo Alckmin (PSDB) soma 6,7 por cento, ante 9,2 por cento.
João Amoêdo (Novo) aparece com 2,7 por cento dos votos válidos (2,4 por cento), Marina Silva (Rede) tem 2,6 por cento (3,3 por cento), Alvaro Dias (Podemos) soma 2 por cento (2,1 por cento), Henrique Meirelles (MDB) fica com 1,9 por cento (2,5 por cento) e Cabo Daciolo (Patriota) com 1,5 por cento (0,9 por cento).
Pelos votos totais, Bolsonaro tem 36,7 por cento (28,2 por cento na anterior), Haddad soma 24 por cento (25,2 por cento), Ciro aparece com 9,9 por cento (9,4 por cento) e Alckmin fica com 5,8 por cento (7,3 por cento).
Amoêdo soma 2,3 por cento (2 por cento), Marina tem 2,2 por cento (2,6 por cento), Dias tem os mesmos 1,7 por cento da pesquisa anterior, Meirelles aparece com 1,6 por cento (2 por cento) e Daciolo registra 1,3 por cento (0,7 por cento).
Brancos e nulos somam 7,8 por cento, eram 11,7 por cento na pesquisa anterior, e o percentual de indecisos é de 6 por cento, ante 8,3 por cento no levantamento anterior.
SEGUNDO TURNO E REJEIÇÃO
O levantamento simulou ainda um segundo turno entre Bolsonaro e Haddad. O candidato do PSL teria 45,2 por cento, contra 38,7 por cento do petista. Na pesquisa anterior, realizada entre 27 e 28 de setembro, Haddad vencia por 42,7 por cento a 37,3 por cento de Bolsonaro.
Em um eventual segundo turno contra Ciro, o candidato do PSL aparece numericamente à frente, mas em empate técnico dentro da margem de erro que é de 2,2 pontos percentuais —41,9 a 41,2 por cento. Contra Alckmin, Bolsonaro venceria —43,3 a 33,5 por cento.
Já Haddad perderia para Ciro —40,9 a 31,1 por cento— e aparece numericamente à frente de Alckmin, mas em empate técnico dentro da margem de erro —37 a 34,3 por cento.
O levantamento também indagou sobre a rejeição dos candidatos. De acordo com o MDA, Haddad é o mais rejeitado com 53,2 por cento, enquanto Bolsonaro tem índice de rejeição de 50,2 por cento. Alckmin é rejeitado por 46,9 por cento, e Ciro por 33,4 por cento.
A pesquisa ouviu 2.002 pessoas entre quinta-feira e sexta-feira em 137 municípios.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Lewandowski libera para julgamento recurso de Lula contra prisão

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski liberou hoje (27) para julgamento o recurso com objetivo de garantir liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com a decisão, cabe ao presidente da Corte, Dias Toffoli, marcar a data do julgamento.
Ao liberar o processo para a pauta do plenário, o ministro também sugeriu a Toffoli que sejam julgadas as ações diretas de constitucionalidade (ADCs) que tratam da validade da prisão condenatória após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça. Segundo o ministro, ações que tratam de processo abstrato têm preferência em relação aos casos concretos.


O julgamento estava sendo realizado em ambiente virtual, quando os ministros do STF podem decidir remotamente sobre uma questão que trate de temas com jurisprudência já consolidada. Com a vista, o caso passará a ser julgado pelo plenário físico.
O recurso protocolado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é contra a decisão do plenário da Corte que negou um habeas corpus antes de ele ser preso, em abril.
Lula está preso desde 7 de abril na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde cumpre pena de 12 anos e um mês imposta pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) no caso do triplex no Guarujá, em São Paulo.

FONTE EBC
  •  

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Filho de Ciro Gomes envolve se em Acidente em Fortaleza


CURITIBA-PR. Em Fortaleza filho de Ciro Gomes, Ciro Saboya Ferreira Gomes foi preso por porte de drogas, ele também recusou-se a se submeter ao teste do bafômetro. 
Segundo o policial ele estava com visíveis sinais de embriagues . Ele foi levado ao Distrito Policial onde prestou depoimento e foi libertado,
/span>



segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Bolsonaro tem progressão dos movimentos intestinais, diz boletim

FONTE EBC
O candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro, internado no Hospital Albert Einstein, na capital paulista, desde o último dia 7, mantém progressão dos movimentos intestinais com boa aceitação à dieta leve iniciada ontem (23), segundo boletim médico divulgado nesta tarde (24). Ele teve alta da unidade de terapia semi-intensiva no último sábado (22) e permanece em quarto no hospital.
Bolsonaro permanece sem dor, sem febre nem sinais de infecção e sem disfunções orgânicas. Segundo o hospital, os exames laboratoriais estão estáveis. Ele tem boa evolução clínica e foram mantidas medidas de prevenção de trombose, além de exercícios respiratórios, de fortalecimento muscular e períodos de caminhada.
Bolsonaro recebeu uma facada durante ato de campanha no último dia 6, em Juiz de Fora (MG). Após ter sido atendido na Santa Casa da cidade, onde chegou a passar por uma cirurgia, ele foi transferido, a pedido da família, para o Hospital Albert Einstein, na capital paulista, na manhã do dia 7. 
FONTE EBC

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Datafolha: Bolsonaro tem 28% das intenções de voto; Haddad tem 16%


FONTE EBC
Nova pesquisa do instituto Datafolha, divulgada na madrugada desta quinta-feira (20), mostra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) com 28% das intenções de voto na disputa presidencial. Fernando Haddad (PT) tem 16% e Ciro Gomes (PDT) aparece com 13%. Geraldo Alckmin (PSDB) obteve 9% e Marina Silva (Rede) é a candidata de 7% dos entrevistados.
Alvaro Dias (Podemos) e João Amoêdo (Novo) marcam, cada um, 3% das intenções de voto. Henrique Meirelles (MDB) tem 2%. Estão empatados Guilherme Boulos (PSOL) e Vera Lúcia (PSTU), com 1% cada. João Goulart Filho (PPL), Cabo Daciolo (Patriota) e Eymael (DC) não pontuaram.
Os votos brancos ou nulos registraram 12%; e 5% não sabem ou não responderam.
O levantamento ouviu 8.601 eleitores entre 18 e 19 de setembro em 323 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa foi contratada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S. Paulo e registrada na Justiça Eleitoral com o número BR06919/2018.

Comparação

Na comparação com a pesquisa do dia 14 de setembro, Jair Bolsonaro oscilou dois pontos percentuais (de 26% para 28%), Fernando Haddad subiu três pontos percentuais (de 13% para 16%) e Ciro Gomes manteve 13%. Ciro e Haddad estão tecnicamente empatados.
Geraldo Alckmin também manteve 9% das intenções de voto e a ex-senadora Marina Silva caiu de 8% para 7%. Marina e Alckmin estão tecnicamente empatados, assim como Ciro e Alckmin.
Não oscilaram os percentuais de intenção de voto os candidatos Alvaro Dias e João Amoêdo, com 3%. Guilherme Boulos e Vera Lúcia permaneceram com 1%. Henrique Meirelles foi de 3% para 2%. Cabo Daciolo tinha 1% na pesquisa passada e não pontuou na nova. Eymael e João Goulart Filho não pontuaram nas duas pesquisas.
A proporção de eleitores que declara que pretende votar nulo ou em branco passou de 13% para 12% e o número de indecisos e não respondentes passou de 6% para 5%.

Rejeição

Em relação à rejeição aos candidatos, Jair Bolsonaro é apontado por 43% dos eleitores que declararam que não votariam de “jeito nenhum” no candidato no primeiro turno. A rejeição a Marina Silva é de 32%, e Haddad tem 29% de eleitores contrários à sua eleição.
A taxa de rejeição a Geraldo Alckmin chega a 24% e Ciro Gomes tem 22%.
Vera Lúcia e Cabo Daciolo tem 19% de taxa de rejeição; Guilherme Boulos, 18%; Henrique Meirelles e Eymael, 17%; Alvaro Dias, Amôedo e João Goulart Filho, 15% .
Eleitores que rejeitam todos os candidatos somam 4% e aqueles que votariam em qualquer um, 2%.

Segundo turno

O instituto Datafolha fez simulações de segundo turno entre os candidatos com as maiores pontuações.
Veja os resultados:
Bolsonaro (42%) x Marina (41%)
Brancos e nulos: 16%
Não responderam: 2%

Ciro (41%) x Alckmin (34%)
Brancos e nulos: 22%
Não responderam: 2%

Alckmin (40%) x Bolsonaro (39%)
Brancos e nulos: 19%
Não responderam: 2%

Alckmin (39%) x Marina (36%)
Brancos e nulos: 23%
Não responderam: 2%

Ciro (45%) x Bolsonaro (39%)
Brancos e nulos: 14%
Não responderam: 2%

Alckmin (39%) x Haddad (35%)
Brancos e nulos: 24%
Não responderam: 3%

Haddad (41%) x Bolsonaro (41%)
Brancos e nulos: 15%
Não responderam: 2%

Ciro (45%) x Marina (31%)
Brancos e nulos: 22%
Não responderam: 2%

Marina (37%) x Haddad (37%)
Brancos e nulos: 24%
Não responderam: 2%

Ciro (42%) x Haddad (31%)
Brancos e nulos: 25%
Não responderam: 3%
Fonte EBC
LEIA TAMBÉM

terça-feira, 18 de setembro de 2018

TSE suspende propaganda com mensagem de Lula em apoio a Haddad

Fonte EBC
O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Sérgio Banhos determinou nesta segunda-feira (17) a suspensão da propaganda eleitoral do candidato à presidência pelo PT, Fernando Haddad, em que são lidos trechos da chamada Carta de Lula ao Povo Brasileiro. A decisão foi tomada de modo liminar (provisório) após representação feita pela coligação do candidato Jair Bolsonaro, do PSL.
Segundo o ministro, a campanha de Haddad desrespeitou a legislação eleitoral ao exibir, durante grande parte do programa eleitoral, a leitura da carta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarando apoio ao ex-prefeito de São Paulo.

A campanha de Fernando Haddad  está impedidade usar o mesmo teor da campanha eleitoral que foi ao ar na última quinta-feira - Arquivo/Agência Brasil

"A coligação representada excedeu 'o limite de at é 25% do tempo de cada programa ou inserção', reservado para os apoiadores, conforme precisos termos do Artigo 54 da Lei nº 9.504/1997", escreveu Banhos.
Com a decisão, a coligação O Povo Feliz de Novo, formada pelo PT, PCdoB e PROS, fica impedida de veicular o mesmo teor da campanha eleitoral que foi ao ar na propaganda em bloco da TV da última quinta-feira (13). 
Além de decretar a suspensão "imediata" da propaganda no rádio e na TV, o ministro deu o prazo de dois dias para que a defesa do PT se manifeste sobre o assunto. Sérgio Banhos determinou também que o Ministério Público Eleitoral se manifeste no máximo um dia após serem ouvidos os advogados da campanha de Haddad.

Candidatura barrada

No início do mês, o TSE barrou o pedido de registro da candidatura de Lula, determinando que o partido indicasse em até dez dias um substituto para a disputa. Antes candidato à vice, Fernando Haddad foi registrado para concorrer ao pleito e foi apresentado como candidato a presidente nas campanhas petistas, tendo Manuela D'Ávila (PCdoB) como candidata a vice.
A propaganda questionada exibe trechos da chamada Carta de Lula ao Povo Brasileiro, que foi escrita pelo ex-presidente manifestando apoio a Haddad. Condenado em segunda instância pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba e foi impugnado tendo como base a Lei da Ficha Limpa.
Segundo a coligação de Bolsonaro, a propaganda veiculada na última quinta-feira (13) deixa o candidato Fernando Haddad "à margem", como "mero locutor dos feitos de Lula", enquanto enaltece a figura do ex-presidente.
Os advogados argumentaram que a publicidade cria "estado emocional" nos eleitores de dúvida sobre quem de fato é candidato, além de descumprir decisões judiciais anteriores que proibiram a apresentação de Lula como candidato e divulgar fato "sabidamente inverídico".
"A aludida propaganda [Carta de Lula ao Povo] foi veiculada após o pedido de substituição da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em completo desrespeito às determinações desta Corte", alegou a coligação do PSL.
As propagandas eleitorais obrigatórias no rádio e na televisão vão ao ar às terças-feiras, quintas e sábados. Nesta noite, o tribunal confirmou os nomes que aparecerão na urna eletrônica, que terá 13 candidatos à Presidência.
FONTE EBC